Ubuntu Driver VIA S3 chrome (video)

Placas de video VIA e outras mais antigas que não tem driver para o linux, fazer a configuração manual do xorg.conf.

Tentar primeiro pelo reconfigure:

sudo dpkg-reconfigure xserver-xorg

Monitor não detectado, usar o comando:


sudo aptitude install xresprobe
sudo ddcprobe | grep monitorrange

Os dois primeiros valores são as taxas HorizSync e segundo par informa os valores de VertRefresh. Agora basta adicionar estes valores no seu arquivo xorg.conf. O procedimento consiste em adicionar duas linhas no arquivo na seção “Section “Monitor”, que ficará da seguinte forma:

Section "Monitor"
     Identifier         "Monitor generico"
     Option             "DPMS"
     HorizSync          30-96
     VertRefresh        50-160
EndSection

Aumentando a resolução

Se somente a resolução de 800×600 estiver disponível no menu Sistema > Preferências > Resolução de tela, modifique a seção Modes dentro de “Section “Screeen”” adicionando o seguinte trecho ao arquivo:

        SubSection "Display"
                Depth           24
                Modes           "1024x768" "800x600" "640x480"
        EndSubSection

Referencia: Corrigindo Resolução e Monitor

Servidor NIS / NFS

Retirado de Forum Ubuntu


Vamos começar pelo server:


Instalando o NFS (para poder usar o diretório /home nas estações):

Código:
sudo apt-get install  nfs-kernel-server

Configurando o NFS:

– Edite o arquivo /etc/exports:

Citar
sudo gedit /etc/exports

– Deixe o conteúdo dele como abaixo (atente para a informação em negrito, que deve ser adequada a sua rede):

Citar
# /etc/exports: the access control list for filesystems which may be exported
#               to NFS clients.  See exports(5).
/home            192.168.0.*(rw,sync)
#

– Agora reinicie o NFS devido as alterações do item anterior:

Código:
sudo /etc/init.d/nfs-kernel-server stop
sudo /etc/init.d/nfs-kernel-server stop

Instalando o NIS (para poder fazer a autenticação centralizada):

Código:
sudo apt-get install nis

Configurando o NIS:

– Edite o arquivo /etc/defaultdomain e insira nele o nome do domínio que irá usar para sua rede:

Citar
sudo gedit /etc/defaultdomain

Após isto execute o comando domainname para verificar a alteração, talvez precise reiniciar o serviço (/etc/init.d/nis) para a alteração ser visualizada.

– Edite o arquivo /etc/default/nis e altere a seguinte linha:

Citação de: De
NISSERVER=false
Citação de: Para
NISSERVER=master

– Reinicie o NIS:

Código:
sudo /etc/init.d/nis stop
sudo /etc/init.d/nis start

– Após “startar” o NIS devemos “popular” a sua base de dados com o seguinte comando:

Código:
sudo /usr/lib/yp/ypinit -m

A primeira pergunta diz respeito aos servidores NIS escravos. Na configuração com somente um servidor digite Ctrl+d e confirme com “y”.

  • Com a execução do script será criado os mapas que ficarão armazenados no diretório /var/yp/<nome_do_domínio>
  • A partir deste ponto o servidor NIS já esta em funcionamento, e qualquer alteração realizada na base de dados de usuários do servidor (criação de usuários, mudança de senha, criação de grupos e etc) devemos refazer os mapas do NIS, de forma a disponibilizar as informações para as estações. Para tanto executamos o comando abaixo
Código:
sudo -s
cd /var/yp
make

Com isso seu server deve estar funcionando
Vamos começar agora na parte das estações:

Instalando o NFS:

Código:
sudo apt-get install  nfs-kernel-server

Montando a partição disponibilizada pelo NFS:

Citação de: Atente para a informação em negrito
sudo mount -t nfs <IP do Servidor>:/home  /home

– Para automatizar o processo de montagem do diretório /home (do server) durante o boot basta editar o arquivo /etc/fstab e inserir nele a linha correspondente ao comando anterior:

* Editando o arquivo /etc/fstab

Código:
sudo   gedit   /etc/fstab

* Inclua a linha em negrito, alterando as informações necessárias (principalmente o que esta sublinhado):

Citar
# /etc/fstab: static file system information.
#
# <file system>  <mount point>   <type>        <options>       <dump>  <pass>
proc             /proc            proc         defaults        0       0
/dev/hdd2        /                reiserfs     notail          0       1
/dev/hdd1        none             swap         sw              0       0
/dev/hdc         /media/cdrom0    udf,iso9660  user,noauto     0       0
<IP_do_Servidor>:/home /home            nfs          defaults        0       0
#

– Neste ponto é bom entender melhor o funcionamento do arquivo /etc/fstab, e ai nada melhor que o excelente tópico do usuário pintinho:

Fstab : trocando em miúdos


Instalando o NIS (para poder fazer a autenticação centralizada):

Código:
sudo apt-get install nis

Configurando o NIS:

– Editando o arquivo /etc/yp.conf e adicionamos a seguinte linha

Código: (Para editar)
sudo  gedit  /etc/yp.conf

Conteúdo que o arquivo deverá ter:

Citação de: Acerte a parte em negrito para sua realidade
ypserver <endereço_ip_servidor>

– Edite o arquivo /etc/nsswitch.conf:

Código: (Para editar)
sudo  gedit  /etc/nsswitch.conf

As linhas a alterar são as passwd, group e shadow, e deverão ficar conforme abaixo:

Citar
passwd:   files nis
group:    files nis
shadow:   files nis

– Altere o arquivo /etc/defaultdomain informando o nome do seu domínio (conforme fez no server).

– Reinicie o NIS:

Código:
sudo /etc/init.d/nis stop
sudo /etc/init.d/nis start

– Para checar se as modificações ocorreram de forma satisfatória podemos verificar se o /etc/passwd do servidor NIS esta disponível na estação, executando o seguinte comando:

Código:
getent passwd

Este comando deverá listar o conteúdo do /etc/passwd do servidor e não da estação.


Com isso sua estação também deverá estar ok.

OpenLDAP no Ubuntu 8.10 Server e Client

Implementando o LDAP em Ubuntu 8.10

1) No servidor instale o openLDAP server:

apt-get install slapd, ldap-utils
sudo dpkg-reconfigure slapd

Para adminstração via web:

apt-get install phpldapadmin

Maiores informações: Help Ubuntu LDAP Server

2) Nas maquinas clientes, instalar a autenticação PAM/NSS:

sudo apt-get install libpam-ldap libnss-ldap nss-updatedb libnss-db

ajustar /etc/nsswitch.conf

passwd: files ldap
group: files ldap

Para testar:

$ getent passwd
$ getent group

Se falhar, então conferir o /etc/ldap.conf e se tiver 3 barras no endereco mudar para 2.

Para criar diretorio HOME local, editar /etc/pam.d/commom-session

session required pam_unix.so
session required pam_mkhomedir.so skel=/etc/skel/
session optional pam_ldap.so
session optional pam_foreground.so

Para adicionar grupo automaticamente editar o /etc/security/group.conf

  • ; *; *; Al0000-2400;audio,cdrom,floppy,plugdev,video,fuse,scanner,dip

Para reconfigurar o client:

sudo dpkg-reconfigure ldap-auth-config

Para HOME remota, configure o /etc/hosts para o server e o fstab para server:/home /home nfs defaults 0 0.

Maiores informações: Help Ubuntu LDAP Client
Ubuntu autenticar LDAP

Referencias:
AutoFS Forum Debian
Autenticação com LDAP
Autenticação com LDAP e AD endereço mudar para 2.

Instalando Oracle 11g no Ubuntu

Para fezer testes a relembrar o funcionamento do Oracle, vamos começar pela instalação compilando o conhecimento de livros e da internet.

No ubuntu, será necessário atualizar alguns pacotes:

sudo apt-get update; sudo apt-get upgrade

sudo apt-get install gcc make binutils gawk x11-utils rpm alien ksh lsb-rpm build-essential

Após as instalações, criar os grupos e usuarios:

groupadd oinstall

groupadd dba

useradd -g oinstall -G dba -p password -d /home/oracle -s /bin/bash oracle

Criar diretorio home

sudo mkdir /home/oracle
sudo chown -R oracle:dba /home/oracle

Ajustar o .bashrc do usuario oracle.

umask 022
ORACLE_BASE=/u01/app/oracle
ORACLE_HOME=$ORACLE_BASE/product/11.1.0/oracle/db_1
ORACLE_SID=ORCL
LD_LIBRARY_PATH=$ORACLE_HOME/jdk/fre/lib/i386:$ORACLE_HOME/jdk/jre/lib/i386/server:$ORACLE_HOME/rdbms/lib:$ORACLE_HOME/lib:$LD_LIBRARY_PATH
PATH=$ORACLE_HOME/bin:$PATH
export PATH LD_LIBRARY_PATH ORACLE_BASE ORACLE_HOME ORACLE_SID

Ajustar o .bash_profile

umask 022
if [ -f ~/.bashrc ]; then
. ~/.bashrc
fi

Ajuste no Ubuntu:

sudo ln -sf /bin/bash /bin/sh

sudo ln -s /usr/bin/awk /bin/awk

sudo ln -s /usr/bin/rpm /bin/rpm

sudo ln -s /usr/bin/basename /bin/basename

Criar estrutura para instalar os programas do oracle

sudo mkdir -p /u01/app/oracle

sudo chown -R oracle:oinstall /u01/app

sudo chmod -R 775 /u01/app

Ajustar algumas tabelas, adicionando no final do sysctl.conf

cd /etc

sudo cp sysctl.conf sysctl.conf.original

sudo vi sysctl.conf

fs.file-max = 65535

kernel.shmall = 2097152

kernel.shmmax = 2147483648

kernel.shmmni = 4096

kernel.sem = 250 32000 100 128

net.ipv4.ip_local_port_range = 1024 65535

net.core.rmem_default = 4194304

net.core.rmem_max = 4194304

net.core.wmem_default = 262144

net.core.wmem_max = 262144

Ajustar o limits.conf adicionando no final

cd /etc/security/

sudo cp limits.conf limits.conf.original

sudo vi limits.conf

oracle soft nproc 2047

oracle hard nproc 16383

oracle soft nofile 1023

oracle hard nofile 65535

Ajustar, por fim, o /etc/pam.d/login,adicionando no final

cd /etc/pam.d

sudo cp login login.original

sudo vi login

session required /lib/security/pam_limits.so

session required pam_limits.so

Apos estes ajustes é necessário fazer um reboot.

Posicionar no diretorio contendo o Oracle e mudar o dono e grupo.

sudo chown -R oracle:oinstall Oracle11

Abrir nova sessão com usu usuario oracle, posicionar no diretorio e iniciar a instalação

cd Oracle11
./runInstaller -ignoreSysPrereqs

Na tela de “Localizaão do Software” mude o nome e o caminhao para db_1.

Na tela “Diretorio de Inventario” mudar grupo para “dba”.

Na tela de “Verificação de pre-requisitos” marcar todos os não marcados.

Na tela “Selecionar Opção de Configuração” marcar “Instalar Software Somente”.

Na tela “Grupos de Sistema e Privilegios” mudar todos para “dba”.

Ao aparecer uma tela pedindo para executar script como root:

su – root
mkdir /opt

cd /u01/app/oraInventory
sh orainstRoot.sh

cd /u01/app/oracle/product/11.1.0/oracle/db_1
sh root.sh

Pronto. Instalação concluida. Clique em Sair e confirme.

Agora anote duas coisas importantes:

ORACLE_BASE=/u01/app/oracle
ORACLE_HOME=/u01/app/oracle/product/11.1.0/oracle/db_1

Agora falta criar o banco de dados, mas antes,no Ubuntu faltam instalar alguns pacotes:

apt-get install libaio1 lesstif2 libmotif3

E tambem criar os scripts de inicialização:

cat /etc/init.d/oracledb
#!/bin/bash
#
# /etc/init.d/oracledb
#
# Run-level Startup script for the Oracle Listener and Instances
# It relies on the information on /etc/oratab

export ORACLE_BASE=/u01/app/oracle
export ORACLE_HOME=/u01/app/oracle/product/11.1.0/db_1
export ORACLE_OWNR=oracle
export PATH=$PATH:$ORACLE_HOME/bin

if [ ! -f $ORACLE_HOME/bin/dbstart -o ! -d $ORACLE_HOME ]
   then
   echo "Oracle startup: cannot start"
   exit 1
fi

case "$1" in
   start)
      # Oracle listener and instance startup
      echo -n "Starting Oracle: "
      su $ORACLE_OWNR -c "$ORACLE_HOME/bin/lsnrctl start"
      su $ORACLE_OWNR -c "$ORACLE_HOME/bin/dbstart $ORACLE_HOME"
      touch /var/lock/oracle
      echo "OK"
      ;;
   stop)
      # Oracle listener and instance shutdown
      echo -n "Shutdown Oracle: "
      su $ORACLE_OWNR -c "$ORACLE_HOME/bin/lsnrctl stop"
      su $ORACLE_OWNR -c "$ORACLE_HOME/bin/dbshut 
$ORACLE_HOME"
      rm -f /var/lock/oracle
      echo "OK"
     ;;
   reload|restart)
      $0 stop
      $0 start
      ;;
   *)
      echo "Usage: `basename $0` start|stop|restart|reload"
     exit 1
   esac

   exit 0

Torne executável e inicializavel no boot.

chmod a+x /etc/init.d/oracledb
update-rc.d oracledb defaults 99

Vamos agora a instalação do DB. Ainda como usuario oracle.

/u01/app/oracle/product/11.1.0/oracle/db_1/bin/dbca

Se não tiver logado como usuario oracle:

su – oracle
export DISPLAY=192.168.w.z:0.0
export ORACLE_HOME=/u01/app/oracle/product/11.1.0/oracle/db_1
export PATH=$PATH:/u01/app/oracle/product/11.1.0/oracle/db1_/bin
dbca

Nas telas seguintes clique em “Proximo”.

Na tela “SID” escolha ORCL.

Na tela de “Localizaçao” é possivel mudar para outro diretorio como por exemplo /u02/oradata. Será gravado no /u02/oradata/ORCL.

Na tela “Enterprise Manager”, desmarque posi não vamos configurar agora. Se quiser instalar o Enterprise Manager então executar antes do “dbca” o “netca”.

Na tela de senhas, escolher usar a mesma senha para SYS e SYSTEM.

Na “Localçização” marcar o “Usar Localização Comum…”

Desmarcar “Area de Recuperação” e deixar sem “Arcquivamento” tambem.

Quase no final lembrar de mudar o conjunto de caracteres para WE8ISO8859P15

Desmarcar “Tarefas automaticas”.

Confirme a criação do Banco de Dados.

Ao final é importante liberar o BD no /etc/oratab, senão não inicia o BD.

sudo vi /etc/oratab

ORCL:/u01/app/oracle/product/11.1.0/oracle/db_1:Y

Ao final da linha mudamos de “N” para “Y”.

Para usar o Enterprise Manager Database Control, é necessário ativar atraves do comando

emctl start dbconsole

Anote o endereço e abra o borwser como usuario SYS usando a permissão de SYSDBA.

Pronto !

Referencia:
http://www.pythian.com/blogs/1355> Puthian

Software Livre – Open Source

O Governo Brasileiro, assim como outros governos, incentiva o uso de Software Livre em seus orgãos.

“Software Livre é o software disponibilizado, gratuitamente ou comercializada, com as premissas de liberdade de instalação, plena utilização;  acesso ao código fonte; possibilidade de modificações/aperfeiçoamentos para necessidades especificas; distribuição da forma original ou modificada, com ou sem custos”.

Esta definição consta do “Guia Livre”. Observe que a questão principal não é a gratuidade, mas o fator relevante refere-se à socialização do conhecimento atraves do acesso ao código-fonte, o que permite o dominio sobre o que realmente o software faz em seus minimos detalhes.

A adoção do Software Livre por parte do Estado é amparada principalmente pelos principios de Impossoalidade, Eficiencia e Razoabilidade, visando a melhoria na qualidade dos servicos prestados e a promoção do desenvolvimento tecnologico e social.

As principais vantagens do software livre são:

  • transparencia por permitir acesso ao código fonte;
  • economia em licenças de software;
  • independencia de fornecedor único;
  • eliminação de mudança compulsorias impostas pelo modelo proprietario;
  • desenvolvimento do conhecimento local;

Links interessantes sobre Software Livre

Este vídeo institucional explica muito bem o conceito e a aplicação do software livre no Governo Brasileiro

Definição de software livre na wikipedia:
Wikipedia : Software Livre

Software Livreo no Governo: Wikipedia: Software Livre nos Governos

Artigo sobre Software Livre no Ministério Público Estadual de Tocantins Revista Fedora: MPE Tocantins

Portais do Governo sobre Software Livre:

Outros links interessantes:


Bloqueio de programas no windows

Como diz o poeta “é caminhando que se faz o caminho“.